Market data:

Ativos de Gestão Institucional

Nossa Filosofia

A filosofia de gestão de ativos da THALASSA CAPITAL se concentra em uma abordagem baseada em pesquisa, que visa descobrir anomalias de mercado e oportunidades de valor de arbitragem. Ao desenvolver nossa opinião de mercado e avaliar investimentos em potencial, sintetizamos uma variedade de técnicas. Nossa abordagem inclui interpretação da evolução macro-econômica, pesquisa fundamental de baixo para cima, utilização de indicadores de expectativas e análise de probabilidade estatística. Começamos com uma análise fundamental para verificar os fatores que afetam a oferta e a demanda de um determinado ativo, a fim de tentar prever o preço de mercado futuro esperado para esse ativo. A visão clássica é que os fundamentos por si só determinam o preço e que a descoberta de preços é um processo dependente. A THALASSA CAPITAL, por outro lado, abraça a idéia de reflexividade - ou que as circunstâncias fundamentais mudam como resultado de flutuações no preço. Consequentemente, mercados giram em torno do "desequilíbrio".  Como resultado dessa crença, operamos através de modelagem multi-fatores em vez de simplesmente depender de uma visão estática do passado.

Alguns dos dados que analisamos para formular previsões ex-ante de retorno esperado são:

  • Fator de Valor
  • Fator de Tamanho
  • Evidência de Retorno (momentum)
  • Reversão de Retorno
  • Níveis de Liquidez e Volatilidade
  • Momentum de EPS
  • Ações Corporativas, como o crescimento de ativos e emissão líquida
  • Sensibilidade de Inflação
  • Análise Dependente de Cenário

Nossas Soluções

No plano institucional, nos especializamos em estratégias exclusivas com base em fatores de investimento. Nosso processo inclui a revisão de pesquisa acadêmica atual e implementação de avaliação independente ou back-testing. Após a avaliação, nós investimos diretamente o capital dos parceiros nas estratégias resultantes. Para clientes institucionais, podemos estruturar soluções estratégicas proprietárias para acomodar diferentes necessidades. Nossas estratégias podem ser gerenciadas em diferentes configurações, como contas gerenciadas separadamente (SMA), Parcerias de Investimento ou Companhias de Negócios Internacionais. A THALASSA CAPITAL também pode atuar como consultora e catalisadora para o desenvolvimento de escritórios familiares personalizadas. Nossos anos de experiência em lidar com as complexidades associadas a grande riqueza tem permitido a nossa empresa desenvolver um processo replicável para o estabelecimento de operações eficientes e abrangentes de gestão para famílias prósperas. Nós podemos fornecer consultoria em diferentes áreas, tais como gestão de investimentos, estratégias fiscais, infraestrutura operacional, educação e governança. Para uma análise mais profunda de nossas estratégias atuais, por favor, clique nos links disponíveis à esquerda.

Modelos de ETF

Exchange Traded Funds (ETF) são os novos blocos de construção de carteira eficientes. A grande variedade de exposições de ativos que eles fornecem, combinado com baixas taxas de despesas, fazem dos ETFs grandes ferramentas para o gestor moderno em sua busca pela implementação de estratégias de investimento, passivas ou ativas. A boa liquidez na maioria dos ETFs também ajuda a reduzir o custo do impacto de mercado durante a execução da estratégia e reequilíbrio. Adicionalmente, as opções de contratos disponíveis ajudam a controlar o risco quando requeridos.

Nossas carteiras ETF fornecem uma maneira eficiente para obter uma exposição diversificada a classes de ativos tradicionais. Nossas carteiras são ativamente geridas de acordo com a nossa filosofia de investimento e oferta:

  • Diversificação de setor
  • Macro alocação de ativos
  • Implementação do modelo de timing de mercado proprietário.
  • Hedging cambial estrangeiro

Modelos de Rotação do Setor de ETF

Por que rotação do setor?

Um sistema econômico é um organismo complexo constantemente afetado por várias dinâmicas; tal sistema está, por conseguinte, sempre a mudar, e cada parte do total é influenciada de forma diferente pelos mesmos impulsos.

Uma carteira ágil com o objetivo de capturar essa síntese teria de identificar o ritmo do ciclo e as ramificações desse processo sobre os diferentes segmentos da economia.  Estratégias de rotação do setor têm sido construídas ao longo dos anos com a intenção de capitalizar sobre este mesmo processo de mudança, em que diferentes partes da economia tendem a se beneficiar de formas diferentes a partir de entradas macro cíclicas.  O objetivo é antecipar os rumos da economia e qual setor irá se beneficiar mais ou menos.

O ciclo econômico clássico é categorizado por 2 fases principais:

  • Expansão, dividida entre Cíclica Inicial e Cíclica Final
  • Contração, dividida entre Defensiva ou Recessiva Inicial e Recessiva Final

Sector rotation across economic cycles

Rotação do setor ao longo dos ciclos econômicos (fonte: Ishares.com)

No diagrama acima (fonte: Ishares.com) podemos ver as indústrias que estão definidas para superar em cada fase.  Os investidores podem utilizar diferentes abordagens em sua tentativa de capturar desempenhos superiores do setor. As duas abordagens mais populares são impulsionadas por fundamentos - como a capacidade de prever com alguma precisão para onde a economia vai - ou impulsionadas pelo momentum - como na modelagem de estratégias quantitativas baseadas na persistência de preços.

Por que Momentum

Nossa empresa decidiu focar seus esforços de pesquisa sobre a abordagem momentum.  Tal decisão foi apoiada por uma grande quantidade de literatura e verificações a posteriori que mostram como uma "anomalia de momentum" esteve presente nos mercados financeiros ao longo de décadas em todo o mundo.

O Momentum pode ser estruturado com muitos parâmetros diferentes, mas é essencialmente a tendência de retornos de ações a tenderem na mesma direção.  Em um mercado altamente eficiente, tal anomalia não deve persistir por um longo tempo, já que investidores racionais rapidamente gerenciariam a vantagem; no entanto, na THALASSA CAPITAL acreditamos que os mercados, embora muitas vezes eficientes, não sofrem de desequilíbrios estruturais e comportamentais que possam limitar o gerenciamento.  Os acadêmicos Fama e French já institucionalizaram o tamanho e o valor das anomalias (ou o desempenho superior de longo prazo de pequenas empresas e valores de ações) e, em 1993, descreveram o momento como "anomalia premier."

As razões para uma vantagem tão simples persistir podem variar desde comportamentais a técnicas; pesquisadores como Barberis, Stein e Hirshleifer, para citar apenas alguns, têm tentado modelar teorias comportamentais enraizadas nos vieses cognitivos de investidores. A maioria das explicações gira em torno das idéias de sub-reação à notícia, a velocidade de propagação de notícias, a capacidade institucional para atingir o tamanho, as necessidades de confirmação de preços irracionais e assim por diante.

Muitos estudos identificaram único desempenho superior em ações em modelos de dinâmica construídos com prazos intermediários, definidos como 3 a 12 meses de classificação e períodos de holding.  Dimson, Marsh e Staunton (2008) produziram o trabalho seminal "108 Anos de Lucros de Momentum", onde eles testaram diferentes parâmetros em ações do Reino Unido de 1900 a 2008, e em 17 outros países por cerca de 33 anos. Seu estudo abrangente confirmou descobertas anteriores de identificação alfa em horizontes de 12 meses e 6 meses.

Um elemento marcante neste corpo de evidência é a concentração de ações individuais selecionadas nas mesmas indústrias em cada vez. Pesquisas parecem provar que o efeito da indústria é um poderoso elemento de formação de preços no processo de seleção.  Moskowitz e Grinblatt (1999) validaram esta ideia em seu trabalho “As Indústrias Explicam o Momentum?” onde eles encontraram evidências de carteiras da indústria exibindo um momentum significativo, mesmo após o controle de tamanho, manual para equidade de mercado, momentum de ações individuais, dispersão transversal em retornos médios e potenciais influências a microestrutura.

Moskowitz e Grinblatt também descobriram que a rentabilidade das estratégias da indústria em horizontes intermediários foi predominantemente conduzida por posições longas.

Metodologia

Como explicado, o nosso modelo encontra fundamentos sólidos nos estudos realizados ao longo dos anos por diversos acadêmicos, analistas e gestores financeiros.  A presença de Alpha em investimentos de momentum transparece sob diferentes parâmetros que asseguram uma justificativa concreta para a sua própria existência.

Em nossa abordagem, levamos em consideração a rentabilidade esperada, mas também deslizes e eficiência de execução.  Os parâmetros do Momentum são divididos geralmente em 3 seções: os períodos de ranking, lagging e holding.  O Alpha reside no horizonte intermediário, na medida do ranking de desempenho passado, e por isso escolhemos um intervalo que deve ser sensível o suficiente a mudanças no ciclo econômico.  A maioria dos estudos testaram o desempenho, incluindo um período de atraso de geralmente um mês; este atraso se destina a compensar a tendência de ações a curto prazo de reversão à média. Decidimos ignorar o período de atraso na conta que parecia adicionar pouco valor em um modelo orientado a indústria.  Quanto ao período de detenção, o trade-off está entre os maiores desempenhos e deslizes esperados. Normalmente, quanto mais rápido o reequilíbrio, maior o retorno, mas também maiores deslizes e custos de comissão. Na construção de nosso modelo, buscamos um equilíbrio aceitável.

A fim de abordar a eficiência da execução, decidimos implementar os Fundos de Índices setorizados.  A variedade de ETFs disponíveis, a crescente liquidez nestes instrumentos e suas relações de despesa baixa (e na maioria dos casos a eficiência fiscal) tornou muito atraente a construção de um modelo centrado em um tamanho de amostra de 40 ETFs. A atratividade do investimento de rotação do setor via ETFs foi testado pelo Prof. Accomazzo em dois artigos: “Active Alpha Investing for the New Normal” (Active Trader Magazine, 2011) e “An Alternative Way to Manage Equity Portfolios” (Graziadio Business Review, Pepperdine University, 2009).

Uma sobreposição de gestão de risco adicional via opções podem ser adicionadas de forma discricionária, dependendo das condições de mercado.

Agende uma reunião para maiores esclarecimentos sobre a carteira ETF mais apropriada para suas necessidades de investimento.

Parcerias Master Limited

Introdução a MLPS

Diversificação, alta renda, eficiência fiscal, baixa correlação com classes de ativos tradicionais; estes quatro elementos parecem ser o pilar de cada veículo de investimento bem concebido. As Parcerias Master Limited (MLP) possibilitaram exatamente isto pela última década.  Mas o que é exatamente uma MLP? Elas são sociedades limitadas negociadas publicamente que possuem e operam gasodutos, oleodutos, terminais de armazenamento e refinarias.  Elas são estruturadas como parcerias para tirar proveito de tributação favorável e para criar veículos de investimento focados em renda.

As MLPs, ao longo dos anos, se concentraram em setores relacionados à energia, mas diferente de suas versões anteriores da década de 1980, que foram estruturadas unicamente com a finalidade de explorar brechas fiscais na área de petróleo e de perfuração, essas novas parcerias tornaram-se serviços públicos eficientes e dinâmicos. Elas adquiriram ativos baratos com fluxos de caixa previsíveis, como dutos e terminais, e se tornaram muito boas em operá-los.

Estes veículos de investimento mantiveram apenas uma correlação moderada com o preço do petróleo e do gás, por serem importantes principalmente para o seu transporte. No entanto, como a economia cresce e a demanda por energia cresce com ela, os lucros das MLPs aumentam em conformidade.  As MLPs também oferecem proteção contra a inflação de duas maneiras: através de sua carteira de ativos reais e através da "inflação mais precificação", ou em outras palavras, a sua habilidade de precificar seus serviços e produtos a um prêmio da taxa de PPI.

Qualidades de Investimento

As MLPs de infraestrutura energética fornecem um modelo de negócio semelhante ao Utilities e Real Estate Investment Trusts. Elas possuem e operam ativos reais e se beneficiam do crescimento da procura relativamente inelástica de energia em longo prazo. De acordo com a Interstate Natural Gas Association da América, a necessidade de reestruturar a mudança do cenário do gás doméstico vai exigir, nos próximos 20 anos, cerca de US$ 200 bilhões em gastos de capital. Outra fonte de crescimento é indicada por analistas na tendência de aquisições por MLPs de ativos midstream. Estima-se que cerca de 200 bilhões dólares de tais ativos estejam alojados em estruturas empresariais públicas e privadas, e elas poderiam encontrar seu caminho em carteiras de MLPs (fonte: Alerian).

Benefícios Potenciais

Os benefícios potenciais de investir em uma carteira de MLPs variam de:

  • Crescimento de Ativos
  • Visibilidade de Fluxos de Caixa
  • Crescimento da Renda
  • Hedging da Inflação
  • Vantagens de Impostos
  • Retorno Total Histórico

Fatos Fiscais

Uma MLP é uma parceria e não uma corporação; por esta razão evita tributação ao nível da entidade, e toda a renda flui proporcionalmente aos parceiros. Parceiros são definidos como participantes, e para efeitos fiscais, em vez de receberem formulários 1099 eles recebem programação K-1.

As MLPs fazem distribuições em dinheiro (não dividendos) e tipicamente pelo menos 70% dos impostos são considerados diferidos da declaração de rendimentos, o que reduz o custo base do participante (parceiro) no investimento. Enquanto a base do participante permanecer acima de zero, os impostos são diferidos até a venda da MLP. Quando o custo base chega a zero, em seguida, as distribuições são tributadas a uma combinação de taxas de ganhos de capital e taxa de imposto de renda pessoal.

As MLPs podem fornecer flexibilidade no processo de planejamento da propriedade; se as unidades são herdadas após o falecimento do participante original, a base é aumentada para o valor justo de mercado na data da morte, e distribuições a priori não são tributadas (fonte: Alerian).

** Este resumo é apenas para fins de informação geral; é baseado na legislação vigente; não leva em consideração situações de um investidor específico. Favor consultar seu contador.

Métricas Tradicionais de Avaliação.

MLPs são geralmente avaliadas de forma ligeiramente diferentes do estoque tradicional; os múltiplos de fluxos de caixa distribuível são geralmente mais relevantes do que relações tradicionais de P/E.  A nossa abordagem pesa altamente o diferencial de rendimento de 10 anos sobre o Tesouro norte-americano, e mais de outros veículos de renda, tais como títulos de BBB e REITS.

Desempenho de Índice

O Índice MLP Alerian é composto pelas 50 MLPs de energia mais proeminentes. O Índice é calculado utilizando uma metodologia ajustada, ponderada pela capitalização, e é em tempo real.

Nos últimos dez anos (2015-2015) o índice tem tido um aumento de 9% anualizado, com um rácio de Sharpe ligeiramente superior ao índice S&P 500.  Na década 2002-2011, o índice mostrou uma correlação modesta de 0,5 para o S&P500.

Nossa Abordagem de Investimento

Nossa estratégia gira em torno dos componentes do Índice Alerian.  O nosso número médio de participações pode variar de tão baixo quanto 15 para tão alto quanto 40, dependendo da análise macro e micro.  A nossa abordagem é baseada em um modelo de núcleo-satélite, onde a nossa exposição do núcleo é implementada através de investimentos nos maiores, e nosso satélite é composto por sub-setores específicos de exposição concentrada.

Gestão de Risco Ativo

Também implementamos uma opção de sobreposição para responder taticamente a situações de sobrecompra/sobrevenda. A exposição total também é aumentada/diminuída com base em pontos de vista macro e métricas de avaliação.

 

**Nossa abordagem de investimento pode não replicar os mesmos retornos produzidos pelo índice. 

ValueX

VALUEX: uma abordagem de valor para ações nacionais

Conceitos Fundamentais

Todas as decisões financeiras são ditadas por dois parâmetros principais: qualidade e avaliações. Se um investidor está comprando uma casa, um pequeno negócio ou mesmo apenas um par de sapatos, é a relação entrelaçada de que preço está sendo solicitado para adquirir certo nível de qualidade que define a transação.

Muitas vezes os investidores que lidam com ações esquecem essa relação direta e deixam preconceitos emocionais conduzirem sua análise. Este vácuo comportamental, juntamente com outras questões estruturais, recorrentemente criam deslocamentos nos mercados que poderiam ser principalmente mais eficientes.

A anomalia de valor, ou venda de ações com desconto para o seu valor justo intrínseco, tem sido objeto de muita pesquisa através dos anos, começando com Benjamin Graham e David Dodd, os pais do investimento de valores. A maioria das pesquisas indica que, em longo prazo (geralmente definido como pelo menos cinco anos), uma carteira de bons negócios adquiridos em avaliações mais baixas geralmente supera o crescimento e o glamour.

A razão para tão bom desempenho reside na natureza inerente de reversão do crescimento. A maioria dos investidores têm uma tendência a extrapolar taxas de super crescimento em prazos geralmente muito longos. Surtos de inovação, produtividade superior ou grandes margens de lucros raramente são mantidos por longos períodos de tempo. Neste caso, a maioria dos investidores tendem a pagar múltiplos que não justificam o crescimento futuro real do negócio.

A identificação de valores geralmente depende da análise relativa de diferentes proporções e múltiplos, que podem permitir a um investidor classificar diferentes empresas. Era o método preferido de Graham para comprar empresas em grande desconto em seu valor contábil, embora esta abordagem tenha se baseado em oportunidades esporádicas. Outras proporções, ao longo do tempo, tornaram-se ferramentas mais populares de triagem de valor, como retorno de capitais próprios e retorno do capital investido. Estudos mais recentes de Wesley Gray e Tobias Carlisle mostraram como uma métrica de preços como Lucros Antes de Juros e Impostos (EBIT) sobre o Valor Total da empresa parece produzir os melhores resultados de triagem. Isto parece intuitivo já que EBIT/TEV captam de forma bastante eficiente a relação entre o poder de lucros e valor da empresa que mencionamos anteriormente.

Outras métricas úteis para os investidores de valor são retornos de dividendos, em sua dimensão absoluta e histórica, e solidez financeira.

 

O Processo de Valores

O processo de encontrar negócios bons ou justos seduzindo valorizações pode ser decomposto em quatro fases, como a pesquisa do doutor Gray nos indica:

-      Evite balanços fracos ou opacos

-      Procure por qualidade, medida por rentabilidade e margens

-      Procure por Valor Relativo, utilizando taxas de preços atuais e históricas

-      Busque apoiar catalisadores ou pelo menos sinais de eventos cruciais em potencial:

  1. Compra Privilegiada

  2. Juros Institucionais

  3. Juros Baixos

  4. Recompras

Estas quatro fases são modeladas em uma estrutura que fornece candidatos de alta qualidade para nossa carteira de valor. Uma camada adicional qualitativa de análise ajuda a definir a composição da carteira definitiva.

Nossa carteira VALUEX é composta apenas de ações dos EUA, com uma capitalização de mercado mínima de US$1,4 bilhões; nosso quadro de triagem também exclui ADRs, REITs hipotecadas, ETFs e ETNs, CEFs, SPACs. Nós ponderamos igualmente nossas carteiras e reequilibramos anualmente.

Por que valor?

Não é com frequência que os mercados oferecem descontos reais e pechinchas atraentes, mas quando ocorrem tais deslocamentos o investidor astuto deve ter um quadro pronto para sucesso no gerenciamento de tais oportunidades.

Como mencionado acima, Benjamin Graham e David Dodd eram os caçadores de pechinchas originais no universo de investimento e escreveram o livro mais relevante sobre o assunto até hoje, Security Analysis, em 1934, entregando um modelo de valor para a colheita de ações.

Sua abordagem foi então implementada com sucesso pelas preferências de Warren Buffet - um aprendiz de Graham -, Sir John Templeton, Seth Klarman e muitos outros.  Muitos estudos foram feitos para testar se de fato o valor foi uma abordagem melhor do que outras estratégias, tais como investimento em crescimento ou indexação passiva, e as evidências parecem confirmar um hedge de longo prazo da abordagem de valor.

Nos últimos tempos, o "enfant terrible" das finanças James Montier tem escrito extensivamente sobre o assunto, destacando como essa abordagem tende a trabalhar através das fronteiras internacionais e de diferentes setores. Em seu artigo de 2008, Going Global: Value Investing without Boundaries, ele cita um desempenho superior do valor ao longo do glamour de cerca de 9% ao ano por um grupo de mercados desenvolvidos. Este desempenho superior aumenta quando se olha para os mercados emergentes, onde o delta de desempenho entre os 20% mais baratos de todas as reservas e o mais caro atinge significativos 15%.

Montier também testou em diferentes intervalos de tempo e seus resultados parecem indicar que um horizonte de tempo mais longo é muitas vezes necessário para permitir que os mercados gerenciem tais discrepâncias de valor. Enquanto o desempenho superior do valor pode ser realizado em períodos anuais, um horizonte de investimentos de cinco anos parece ajudar a ampliar o valor/crescimento delta em significativos 40%.

Resultados semelhantes ocorrem também no trabalho de Fama e French, que compilou a série de referência acadêmica em finanças rotulada VMG (Value-minus-Growth).  Os dois pesquisadores compilaram uma carteira de empresas norte-americanas com ações de longo prazo e baixo P/B e ações de curto prazo com elevado P/B múltiplo. A carteira foi reequilibrada anualmente e testada em 1926, resultando em um desempenho superior consistente de ações de valor.

A Estratégia de Água

Água

Diferentes consultorias determinam que até 2025 dois terços da população mundial irão experimentar estresse hídrico.  A situação de escassez sempre gera oportunidades de investimento; neste caso, vemos potencial para diferentes aspectos das infraestruturas de água. Perspectivas positivas serão abertas em utilitários, geração de energia, dessalinização da água do mar e na fabricação de bombas, válvulas, e eletrônicos necessários para mover a mercadoria líquida.

O mercado global de água já é uma parte significativa da economia global, com receitas superiores de US$ 500 bilhões por ano. A partir de 2010, a repartição das receitas foi, como tal, (fonte: Fortune):

-           $396 bilhões em Serviços ($226 bilhões de dólares em serviços de água e $170 bilhões em águas residuais)

-           $59 bilhões em água engarrafada

-           $28 bilhões em equipamentos e serviços de água fornecidos a várias empresas

-           $10 bilhões em irrigação agrícola

-           $15 bilhões em filtros em diversos sistemas de aquecimento e resfriamento.

Muitas das ineficiências do mercado de água ocorrem em função da fixação errada dos preços; a seguir estão alguns exemplos de quanto custam 100 litros de água da torneira custa em todo o mundo:

-           Buenos Aires: $0.01

-           Mumbai: $0.04

-           Xangai: $0.07

-           Cidade do México: $0.13

-           Hong Kong: $0.17

-           Moscou: $0.24

-           Las Vegas: $0.32

-           Nova Iorque: $0.39

-           Tóquio: $0.46

-           Los Angeles: $0.50

-           Phoenix: $0.59

-           Londres: $0.73

-           Oslo: $1.35

-           Paris: $1.48

-           Copenhague: $3.03

O uso de água varia drasticamente de país para país, mas a tendência em longo prazo é convergente; os americanos usam cerca de 570 litros de água por dia, enquanto os chineses usam apenas 87 litros, o que vem aumentando.  A Índia, por exemplo, espera que suas necessidades hídricas dobrem nos próximos 10 anos. Globalmente, 71% do consumo de água é destinado à agricultura, enquanto 16% vão para a indústria.

“Beating the Coming Water Shortage” um relatório da Fortune, destaca as quantidades médias de água necessária para a fabricação de artigos diários simples:

-           Copo de café: 268 litros

-           Calças jeans: 10.984 litros

-           Um bife nobre: 7.019 litros

-           Um carro: 393.120 litros.

Na THALASSA CAPITAL LLC estamos determinados a nos posicionar a frente da curva, e construir um quadro de investimento em longo prazo projetado para capturar essas oportunidades.  Nós utilizamos uma abordagem núcleo-satélite, que compreende ETFs de baixo custo no núcleo e um mix de investimentos individuais em nichos específicos de tratamento de água.  Essa abordagem nos permite misturar utilitários tradicionais com empresas industriais e eixos de alta tecnologia.  Nós também favorecemos uma abordagem global, já que, como mencionamos anteriormente, a escassez de água não tem fronteiras.

Entre em contato com nossa equipe de investimento para mais informações sobre esta carteira.

Soluções para Carteiras de Fundos de Hedges

“Investir com sucesso é antecipar as antecipações dos outros.”

John Maynard Keynes

A loucura ou sabedoria de multidões influenciam constantemente o humor dos mercados, nublando o seu nível de eficiência e aumentando a volatilidade. Carteiras bem construídas irão "antecipar" tais divergências a partir de médias esperadas pela incorporação de elementos táticos e investimentos alfa impulsionados.

É no contexto de alcançar retornos ajustados aos riscos mais elevados que a inclusão de Investimentos Alternativos encontra um papel na construção de carteira. Gerentes desenfreados que podem encontrar anomalias de mercado ou explorar vantagens táticas não observadas podem fornecer a uma carteira tradicional uma não correlação muito procurada, e também produzir retornos positivos adicionais.

A justificativa para incluir em uma carteira veículos de retorno absoluto, ou pelo menos volatilidade esmagadora, como fundos de cobertura, tem sido amplamente documentada na literatura acadêmica e profissional; contudo, é sua aplicação efetiva que gera problemas. Como Yogi Berra disse uma vez "Em teoria, não há diferença entre teoria e prática. Na prática há…” Escolher os gerentes certos e criar uma carteira bem sucedida de fundos de cobertura provou-se inatingível para muitos investidores, institucionais ou não.

O universo alpha dos fundos de cobertura é guiado por questões operacionais e estratégicas que um investidor ou um alocador deve ser corretamente instruído para lidar. Por exemplo, é geralmente normal que gerentes emergentes tenham retornos mais elevados do que gerentes estabelecidos por serem mais famintos por sucesso financeiro e pessoal, e ainda, o seu negócio associado e risco operacional são tão altos que fazem da vantagem de retorno esperada uma utopia.

Analisar o desempenho corretamente também é complicado; a maioria dos investidores confia cegamente em um processo simplista e puramente quantitativo como resultado de apenas perseguir o desempenho.

Para muitos investidores os verdadeiros obstáculos são tamanhos e investimentos mínimos.

Diretamente, pode ser necessário acima de $ 150 milhões para alcaçar uma exposiçāo eficiente, um número proibitivo para muitos investidores. A alternativa é utilizar Fundos de Fundos, o que, infelizmente, vêm com seu próprio conjunto de deficiências, tais como duas camadas extras de taxas, carteiras estáticas e padronizadas, liquidez não gerenciada e, ocasionalmente, completamente mal gerida e, ocasionalmente, due deligencie completamente mal gerida.

O processo da THALASSA CAPITAL busca superar todas estas questões e fornecer uma solução personalizada e proativa. Nós trabalhamos com alguns dos melhores gerentes financeiros do mundo utilizando estratégias múltiplas; entre outros:

  • Bill Ackman da Pershing Square
  • John Paulson da Paulson Funds
  • Dan Loeb da Third Point
  • James Simon da Renaissance

Nossa plataforma nos permite personalizar as carteiras que podem atender às necessidades únicas de investimento e de liquidez para cada cliente. Temos um mínimo de investimento de US$ 250.000 para soluções "estratégicas" e um mínimo de US$ 1 milhão para carteiras totalmente adaptadas sem mínimo por fundo.

Além disso, utilizamos a pesquisa oportuna e independente de terceiros sobre a indústria em geral e sobre os fundos específicos disponíveis no nosso sistema. Nosso processo de pesquisa se estende desde o altamente quantitativo para o exclusivamente qualitativo, já que acreditamos que a seleção adequada de gerentes necessita de uma abordagem analítica abrangente. Em nosso processo de gestão de riscos, nós nos esforçamos para irmos além da mera informação baseada em retorno, como misturar estes dados com o cenário de análise dependente e outras técnicas discricionárias. Em um esforço ativo para dispersar e controlar o risco de fundos de cobertura incluímos processos, tais como:

  • Limitar a exposição da carteira aos setores específicos
  • Implementar mudanças de alocação tática com base em mudanças de risco
  • Desalocações em caso de mudanças de estilo do gerente
  • Monitoramento de alavancagem

Um elemento-chave para os investimentos alternativos de sucesso é lidar com contrapartes da mais alta integridade. Nossas salvaguardas institucionais são as seguintes:

  • Depositário - banco de New York Mellon
  • Administrador - Trident Trust Company
  • Auditor – Ernst & Young

Através de nossa carteira de soluções de fundos de cobertura, nossos clientes podem acessar carteiras de fundos de cobertura de qualidade institucional e investir juntamente com as maiores instituições do mundo.

Infraestrutura do Escritório Familiar

Assim como as realidades socioeconômicas mudam ao redor do mundo, as necessidades de famílias ricas e indivíduos de alta renda se tornam mais complexas e globais por natureza. Na THALASSA CAPITAL nós construímos uma experiência internacionalmente replicável na criação de uma estrutura de serviços que podem ajudar os indivíduos e as famílias ricas a alcançar a plena integração dos seus investimentos, educação geracional e administração global.

Nós podemos ajudar a criar estruturas que abrangem as seguintes áreas:

  • Gerência de investimento direto
  • Acesso à classe mundial de carteiras alternativas realizadas em estruturas onshore e offshore
  • Módulos de educação geracional sob medida para as transmissões bem sucedidas de riqueza a todas as gerações
  • Facilitação de reuniões de família e desenvolvimento do sistema de governança
  • Integração com equipes jurídicas internacionais.